Pede-se por analista “seguro”: questões de classe, raça e gênero no manejo transferencial