Função paterna e sublimação: da proibição ao vazio