Comentário ao texto de Conrado Ramos – Qual lugar para a indignação?