Galeria de Arte da Criança

“Eu levei a minha vida inteira para desenhar como uma criança!”
Essa frase do Picasso é instigante!
O que seria desenhar como uma criança para Picasso?
E nós, o que entendemos disso?
Que toda criança é potencialmente um artista?
Essa questão abre um debate sobre o que é ser um artista e se uma criança é um artista.
O outro lado da afirmação nos faz pensar … Que Picasso deve ter levado muito tempo para sentir que desenhava com liberdade… como uma criança… pensamento que nos remete a uma outra afirmação do pintor: “Quando eu era criança, eu desenhava como Raphael, mas foi necessário toda uma vida para aprender a desenhar como uma criança”.
É bastante comum a ideia de que o desenho e a arte que a criança realizam são fruto de um trabalho de aprendizagem, a maioria dos sites de artes para criança a ensinam o que é desenhar e, como fazê-lo!
Não é raro a criança bem pequena ainda, responder que não sabe desenhar, quando alguém lhe pede para que o faça! Caracterizando uma renúncia que se acentua à medida que ela cresce. Ou ainda, crianças que abandonam o processo criativo, seja o do desenho ou de uma outra modalidade de expressão à medida que crescem!
Não que a aprendizagem não seja necessária, ela o é!
Mas se não cuidarmos de certos processos que são fundamentais para o desenho e para a expressão da criança de uma forma geral, ela poderá deixar de lado essa atividade preciosa, por não se sentir suficientemente capaz!
Até porque existem, de sobra, atividades e jogos na internet que a mantem ocupada, dando-lhe a ilusão que está em uma atividade criativa.
E, mesmo que saibamos (ou talvez não) da importância do desenho e do traço para a constituição subjetiva, e da humanidade, nos habituamos a permitir sem nos dar conta, que prefiram o computador, sem fazer uma reflexão sobre as consequências da redução de atividades que privilegiem a criação.

A criança tem uma curiosidade nata que deve ser estimulada.
Ao mesmo tempo ela tem o mundo a descobrir!
Curiosidade e liberdade são ingredientes para um processo de expressão criativo?
Sem dúvida!
Mas não podemos confundir a liberdade, que deve ser conquistada, pelo fato que ela não está dada a nós, com poder fazer tudo e de qualquer jeito!
Se vocês observarem verão que as crianças frequentemente ao desenhar oferecem o seu desenho à mãe, ao pai, à professora, ou ao amigo. Isso não ocorre por acaso, ela quer que o seu desenho seja visto por um outro.
Nesse ponto, eu não poderia deixar de assinalar a importância do Outro e de seu desejo no processo criativo, questão que vem ao encontro dessas reflexões acerca do desenho da criança, onde psicanálise e arte se articulam.

É interessante que muitas pessoas emudecem diante de um desenho infantil!
Também não é por acaso, o desenho da criança sempre nos surpreende!
Não sabemos o que falar ao olhar para o desenho da criança, de uma forma geral dizemos que é bonito, ou bonitinho…

A criança pode ter desenhado algo terrível, sim claro, aos olhos de um adulto a produção de uma criança é sempre bela (nem sempre) então, não se trata de qualificar o desenho quanto à sua beleza ou feiura, pois o belo e o feio não são opostos, ao menos da forma que imaginamos e, podemos ir além disso ao buscar o que há de singular e precioso em cada desenho!

Com isso, posso afirmar que o debate quanto à criança ser ou não ser artista permanece aberto, mas devemos sim olhar para o seu desenho como se fosse uma obra de arte!

Arlette D Israel Schikmann
Blog: galeriadeartedacrianca.com